Até o ano passado, a cada 12 minutos uma pessoa era infectada com o vírus HIV no Brasil. Segundo estatísticas da UNAIDS, o programa das Nações Unidas para criar soluções e ajudar nações no combate à doença, 14 mil pessoas morreram no país vítima da AIDS em 2016. Para reduzir esses números, a disseminação de informações,  principalmente, sobre a prevenção da doença é uma das principais estratégias. A tecnologia é forte aliada nesse jogo.

O avanço de diversos tratamentos está diretamente ligado a novas ferramentas e descobertas tecnológicas. No Brasil, a principal novidade para este dia é o anúncio de uma nova estratégia que promete revolucionar a prevenção do HIV de uma forma bastante simples, com uso diário de uma medicação. Não por acaso, a mesma droga que já é usada para tratar pessoas infectadas, mas agora para quem não tem Aids. Além da camisinha, é um novo método de prevenção que está em projeto piloto no país desde 2014…

Outros países que já adotaram a mesma estratégia, como os Estados Unidos, por exemplo, viram os números de novos casos de HIV despencar. Mas, não diferente de outros métodos de prevenção, o maior desafio para sua eficácia está na adesão do usuário. É preciso tomar o medicamento diariamente para estar protegido. A maior preocupação era com o grupo em que as novas infecções de HIV mais crescem no país: jovens entre 15 e 24 anos. Foi aí que a tecnologia fez sua parte!

Ainda na aliança medicina e tecnologia, já a partir do ano que vem, avanços vão permitir uma nova fase de testes; agora da versão injetável do medicamento, que garante 2 meses de imunidade por aplicação. Mais do que isso, fora do Brasil, pesquisas avaliam o uso de um implante subcutâneo que ampliaria o período de imunidade para até um ano.

Recentemente, o próprio Ministério da Saúde recorreu à tecnologia na tentativa de facilitar a  adesão de pacientes ao tratamento de Aids. O aplicativo “Viva Bem” lembra os pacientes sobre o horário de tomar o medicamento ou mesmo quando devem buscá-lo nos serviços de saúde. O app funciona como uma espécie de diário onde podem ser registrados dados de carga viral e exames. A ferramenta cria ainda um gráfico de acompanhamento que pode ser visualizado de um ou mais itens ao mesmo tempo.

Outros três aplicativos desenvolvidos pelo Programa Municipal de DST/AIDS da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo unem forças na luta contra essa pandemia mundial. O “Tá Na Mão” é uma calculadora de risco que informa a chance de uma pessoa ter entrado em contato com o vírus HIV. Usando o GSP do celular, o app ainda mostra os locais mais próximos onde a pessoa pode buscar tratamento, fazer o teste e até retirar camisinhas gratuitas.

Os outros dois apps, também gratuitos, trazem informações técnicas atualizadas para o profissional da saúde.  O TVSP fala sobre o tratamento e prevenção de transmissão de infecções de mãe para filho. E o PEPTec ajuda os médicos no atendimento de pacientes que passaram por situações com potencial risco de infecção pelo vírus HIV.

Facebook Comments

Gabriel Sampaio Pangardi

JOVEM PAULISTANO DESDE 1997, ENTUSIASTA DA CRIAÇÃO E CONSUMO DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL DE E PARA DIVERSOS FINS COM PRIORIDADE PARA REDES SOCIAIS MAS NÃO SE LIMITANDO A ELAS.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com